NOTICIA

04.06

Policiais do Niterói Presente relatam atraso do pagamento das gratificações

Chegada do projeto no bairro Fonseca, na Zona Norte, foi adiada por "questões burocráticas"
 

RIO - Em quase seis meses de atuação, 19 policiais militares do Niterói Presente, projeto que faz parte de um pacote de ações em apoio às forças de segurança estaduais, afirmam que até hoje não receberam o pagamento das gratificações. Lançado em Icaraí em 15 de dezembro, o programa foi estendido para o Jardim Icaraí, Santa Rosa e Centro. No último dia 21, chegaria ao bairro do Fonseca, na Zona Norte, mas empacou. O bairro, considerado um dos mais violentos do município, teria ficado sem o reforço devido à escassez de equipamentos, como armas, coletes balísticos, capacetes e rádios de comunicação, além do atraso no pagamento dos PMs.

— A operação vai acabar entrando em descrédito — afirma um agente incomodado com a situação.

O valor mínimo das gratificações é de R$3.700 por mês. O efetivo fixo do Niterói Presente é composto por três oficiais e 16 praças. Os policiais que se inscrevem no projeto através do Programa Estadual de Integração na Segurança (Proeis) não enfrentam problemas no pagamento, efetuado pelo governo estaudal. Já os agentes civis que completam a equipe também reclamam. Eles estão sem receber o auxílio de R$700 equivalente ao transporte e alimentação, prometido pela prefeitura.

A prefeitura de Niterói é a responsável pelo programa e deve repassar a verba para a Secretaria de Governo do Estado, para o pagamento dos 19 policiais fixos do projeto. O atraso no repasse tem dificultado a vida dos PMs, que não conseguem pagar suas contas em dia.

— Eu estou no projeto há três anos e conto com renda extra. Quando fui transferido para Niterói, nunca pensei que passaria por esse tipo de problema. Mas hoje, meu aluguel está atrasado há dois meses, isso porque eu deixo de pagar meus cartões de crédito. A nossa vida está de cabeça para baixo — disse outro policial. — Seguimos exercendo nosso papel com compromisso, mas a população começa a perder o benefício de ter a segurança reforçada pela falta de pagamento — disse, referindo-se à expansão programada para o bairro Fonseca.

Procurada, a Secretaria de Governo confirmou que não recebeu o dinheiro para efetuar o pagamento dos PMs. Porém, a prefeitura de Niterói explicou em nota que desde janeiro solicita, através de ofícios e reuniões, que o Estado envie a listagem correta dos policiais cedidos, separada por ano de exercício, "pois somente dessa forma a tramitação pode ser realizada conforme orientação da Procuradoria-Geral do município. Há cerca de 20 dias, o governo do Estado conseguiu viabilizar a listagem da forma necessária e a situação está sendo normalizada".

Quanto à gratificação dos agentes civis, a administração municipal informou que "o edital do concurso e o contrato de trabalho assinado não fazem menção às verbas de transporte e alimentação".

Em nota, esclareceu ainda que o programa do Fonseca foi adiado por questões burocráticas com o governo estadual, "que estão sendo solucionadas". Com relação aos equipamentos, a prefeitura disse que alguns itens já foram comprados. "Estão sendo utilizados rádios cedidos pela Secretaria de Ordem Pública enquanto não é realizada outra licitação, já o primeiro certame encerrou sem interessados". Por fim, afirmou que não há previsão para de aquisição de carabinas.

Fonte: Globo.com


 
Home | Voltar para noticias


seja um associado AFPB


Torne-se um associado AFPB e tenha obtenha vantagens e benefícios exclusivos, como descontos em restaurantes, viagens, hotéis e muito mais.
Associe-se!

Entre em contato conosco! Envie-nos um WhatsApp Canal exclusivo para mensagens. Atendimento: de segunda a sexta, das 9h às 18h.