Precisando de ajuda? Fale conosco agora mesmo:
Notícias AFPB
10/12/18
Resistência ao programa de extinção de Estatais
Movimento sindical ligado ao funcionalismo federal garante que vai organizar categorias atingidas por medidas do atual governo

O Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) garante que vai resistir ao decreto que altera regras de extinção de empresas estatais e facilita a demissão de servidores. O secretário-geral da entidade, Sérgio Ronaldo, afirma que o movimento sindical organizará as categorias atingidas pelas medidas do governo Temer para enfrentar a situação.

Segundo o sindicalista, o presidente Michel Temer (MDB) baixou decreto em 30 de novembro que deixa sobre responsabilidade do Ministério do Planejamento o acompanhamento de liquidação de empresas públicas. Também compete ao Ministério da Fazenda e à pasta, a qual o órgão estiver vinculado, indicar a extinção da estatal ao Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI) ao Programa Nacional de Desestatização (PND).

O Sérgio Ronaldo explica que as empresas marcadas para serem extintas podem demitir até 95% do seu quadro. Dois exemplos das que estão em processo de liquidação bem avançado são a Companhia de Armazém e Silos e Minas Geral e a Companhia Docas do Maranhão. Sérgio Ronaldo critica que nos dois anos e meio à frente da Presidência da República, Michel Temer (MDB) reduziu de 155 para 138 o número de estatais.

Na avaliação do secretário-geral da Condsef, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), já sinalizou que pretende ampliar o processo de extinção, tendo anunciado, inclusive que acabará com a Empresa Brasil de Comunicação (EBC). O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a dizer que quer privatizar todas as estatais, o que geraria lucro de R$ 800 bilhões.

Fonte: O Dia (Por Max Leone)