Precisando de ajuda? Fale conosco agora mesmo:
Notícias AFPB
10/07/19
Governo Manda DPU Fechar 43 Unidades E Devolver 63% Dos Servidores Cedidos
O Ministério da Economia mandou a Defensoria Pública devolver ao Poder Executivo 63% dos servidores que atuam no órgão. Com isso, as 43 unidades do interior serão fechadas. O dia 27 de julho é o prazo final para devolução dos 828 servidores.
 
Em novembro do ano passado, o então Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPOG) editou a Nota Técnica 26812/2018-MP, que interpreta a Lei 13.328/2016 no sentido de que a DPU deve devolver os requisitados com mais de três anos da cessão ou reembolsar o órgão de origem em caso de interesse pela permanência do servidor.
 
Em nota, a DPU afirma que por causa do novo regime fiscal, há impossibilidade de acréscimo no orçamento da DPU para fazer frente ao eventual custeio do reembolso de que trata o artigo 106 da Lei 13.328/2016. O custo da remuneração e encargos desses servidores seria de cerca de R$ 100 milhões por ano, montante que equivale a um quinto do orçamento total do órgão.
 
Já em janeiro, o então MPOG suspendeu a exigência de devolução dos servidores requisitados pela DPU a seus órgãos de origem por seis meses, até que se pudesse construir uma solução política para a questão. Entretanto, o atual Ministério da Economia está mandando voltar a partir de interpretação da Lei 13.328/2016.
 
Na prática, a DPU depende agora de edição de Medida Provisória que estenda a permanência dos servidores na instituição ao menos até a aprovação do Projeto de Lei 7.922/2014 no Congresso Nacional. Em maio deste ano, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou a proposta que cria quadro de servidores próprio para o órgão, estrutura o plano de carreiras e cargos da instituição e fixa o valor de suas remunerações.
 
Urgência e relevância
 
Em 23 de maio, a DPU enviou ofício à Casa Civil da Presidência da República demonstrando a urgência e relevância da situação, com o intuito de garantir solução política para a questão por meio de MP.
 
Hoje, a Defensoria Pública não tem quadro permanente de pessoal, porém, o Congresso Nacional promulgou, em agosto de 2013, a Emenda Constitucional 74, que concedeu à DPU autonomia funcional, administrativa e a iniciativa de sua proposta orçamentária.
 
Além dos 645 defensores públicos federais, a DPU conta com 487 cargos providos oriundos do Plano Geral de Cargos do Poder Executivo (PGPE), servidores públicos federais que fizeram concurso específico para o órgão.
 
Todos os demais pertencem ao Executivo, que tem ao todo 621 mil servidores. Os requisitados da DPU representam 0,13% dos cargos do Executivo. A título de comparação, o Ministério Público da União (MPU) conta com força de trabalho administrativa de 10 mil pessoas.
 
Mais Atingido
 
São Paulo é o estado que mais vai perder unidades da Defensoria Pública da União, com um total de 18 unidades fechadas no ABC, Campinas, Osasco e outras regiões. Assim, o atendimento ficará restrito à capital paulista.
 
Veja a lista completa das 43 unidades que serão fechadas:
 
Região Sudeste - 18 unidades
 
São Paulo
1. ABC
2. Campinas
3. Guarulhos
4. Mogi das Cruzes
5. Osasco
6. Registro
7. Ribeirão Preto
8. Santos e São Vicente
9. São José dos Campos
10. Sorocaba
 
Rio de Janeiro
1. Baixada Fluminense
2. Volta Redonda
3. Niterói
 
Minas Gerais
1. Governador Valadares
2. Juiz de Fora
3. Montes Claros
4. Uberlândia
 
Espírito Santo
1. Linhares
 
Região Sul - 12 unidades
 
Rio Grande do Sul
1. Bagé
2. Canoas
3. Pelotas
4. Rio Grande
5. Santa Maria
6. Uruguaiana
 
Paraná
1. Cascavel
2. Foz do Iguaçu
3. Londrina
4. Umuarama
 
Santa Catarina
1. Criciúma
2. Joinville
 
Região Nordeste - 8 unidades
 
Bahia
1. Feira de Santana
2. Vitória da Conquista
 
Pernambuco
1. Caruaru
2. Petrolina – Juazeiro (BA)
 
Alagoas
1. Arapiraca
 
Paraíba
1. Campina Grande
 
Rio Grande do Norte
1. Mossoró
 
Ceará
1. Sobral
 
Região Centro-Oeste - 3 unidades
 
Mato Grosso do Sul
1. Dourados
 
Mato Grosso
1. Cáceres
2. Juína
 
Região Norte| 2 unidades
 
Pará
1. Altamira
2. Santarém
 
Por Gabriela Coelho - correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília