Precisando de ajuda? Fale conosco agora mesmo:
Notícias AFPB
16/09/19
Redução Salarial De Servidores Públicos Pode Vir Na Reforma Administrativa
Governo federal quer criar esse mecanismo e Rodrigo Maia defende que esteja no projeto que vai reestruturar as carreiras da União A reforma administrativa no serviço público federal vem ganhando força no Legislativo.
O projeto que promete reestruturar as carreiras e mexer com a estabilidade dos servidores é um dos temas mais defendidos pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Só que o parlamentar também abraça a ideia de levar para essa reforma a redução de jornada e de salário de funcionários públicos em períodos de crise econômica.
Se a ideia levantada por Maia tomar forma, ou seja, estiver prevista no projeto de lei que o governo enviará o Congresso, há grande possibilidade de ser aprovada.
Hoje, tem crescido a adesão de parlamentares ao discurso do Executivo e de vários governadores para que se crie um mecanismo para flexibilizar despesas obrigatórias, como folha salarial de funcionários e aposentadorias. E após o Supremo Tribunal Federal (STF) formar maioria contrária à diminuição de jornada com adequação dos vencimentos — em julgamento de ação sobre o assunto —, o governo e alguns integrantes do Legislativo têm buscado alternativas para que a medida se torne viável.
O presidente da Câmara, que já vinha assumindo esse discurso entre colegas, sugeriu publicamente, na última terça-feira, que se inclua na reforma administrativa essa possibilidade.
Ele disse isso após reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, em meio a questionamentos e a discussões sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), de Pedro Paulo (DEM-RJ), que trata da Regra de Ouro, e também prevê a redução temporária de jornada e salário. PEC tem apoio do governo Maia comentou que a questão poderia ser tratada de forma mais estrutural, no momento em que for apresentada a reforma administrativa pelo Executivo.
Mas o projeto de Pedro Paulo vem recebendo apoio declarado de Guedes e outros governistas.

Fonte: O Dia Online (por Paloma Savedra)